segunda-feira, 23 de julho de 2012

O segredo do corpo está na cabeça

Use sua mente para transformar o seu corpo. Esse é o slogan usado pela britânica Janet Thomson para divulgar o seu livro Think More, Eat Lesse (que em tradução livre seria “Pense Mais, Coma Menos).

A nutricionista e especialista em exercícios mentais acredita que a melhor dieta do mundo não funciona se sua cabeça não estiver alinhada com seus desejos e que aí mora o segredo do sucesso. Janet, então, desenvolveu um programa para alcançar a perda de peso que reúne alimentação, exercícios físicos e mentais. 

Conheça algumas regrinhas e comportamentos que fazem toda a diferença segundo a autora:
- Tenha por escrito aonde quer chegar. Definir metas é essencial para qualquer conquista. Leia em voz alta diariamente.

- Mantenha um diário de tudo o que come. Não para tornar-se paranoico com as calorias, mas para computar o que anda comendo e ter maior consciência de sua alimentação.

- Visualize-se após a dieta. Pense como vai caber naquela roupa que você adora e que – por enquanto – não serve. Imagine-se saudável e magra (o) pelo menos duas vezes ao dia.

- Não use comida como compensação ou punição. Pense apenas que precisa alimentar-se para ter energia e lembre-se de que tudo o que for proibido é ainda mais desejado e só fará você comer mais.

- Procure a companhia de pessoas que já passaram por um processo semelhante e atingiram suas metas. O exemplo de sucesso chega ao seu inconsciente como experiência sua também.

- Identifique se houve algum comportamento que sabotou suas tentativas anteriores. Por exemplo, acreditar que só um docinho por dia não conta ou ter em mente que fazer regime é uma bobagem ou perda de tempo. O cérebro interpreta isso como mensagem conflitante. Elabore uma lista de comportamentos positivos que substituam essas mensagens.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Tomilho, Alfafa e Gérmen de Trigo

Tomilho (Thymus vulgaris)
É uma planta da família das Labiadas de forte odor, de cerca de 25 cm de altura, que se usa como condimento alimentício e medicinal. 

É um grande fortificante da circulação e dos pulmões, bem como um estimulante natural da digestão, tendo além disso propriedades antibióticas que atuam contra as bactérias. Melhora as propriedades terapêuticas quando se usa junto com alho, o que o torna mais digerível.

Seus componentes ativos principais são:
Taninos, triterpenos, resinas alifáticas e flavonoides.

O timol ou óleo essencial de tomilho é anti-séptico e eficaz contra bactérias.
A presença dos flavonoides e resinas alifáticas o tornam útil contra as infecções virais.

As propriedades principais do tomilho são:
Adstringente (vasoconstritor moderado).
Antiespasmódico (neutraliza os espasmos como cólicas).
Desinflamante.

Mucogênico (controla a mucosa dos brônquios e da garganta) e ajuda a controlar a tosse.
Anti-séptico.
Auxilia a digestão.
Reforça as defesas do organismo (sistema imunológico).

Usa-se o tomilho para aliviar a dor das gengivas, assim como para limpar os dentes manchados e branqueá-los, previne a halitose (mau hálito), além de ser um descongestionante natural poderoso.

Alfafa
É um dos alimentos mais versáteis e nutritivos que se conhece. Pode ser usado em forma de chá, polvilhada nos alimentos, em cápsulas preparadas. A alfafa é altamente alcalina, ajudando nos problemas de acidez estomacal. Algumas das enfermidades que a alfafa ajuda a controlar são:

Artrite, úlceras do estômago, gastrites, problemas de fígado, hemorroidas  asma, pressão alta, constipação do cólon, anemia, gengivas inflamadas, mau odor, pé-de-atleta e fungos nos pés, câncer, diabetes, desnutrição, anorexia.

A alfafa é rica em clorofila, a qual tem grandes propriedades na prevenção do mau odor.
É cicatrizante, ajuda no crescimento de novos tecidos, além de ser anti-séptica e antibacteriana – comenta o Dr. G.W. Raab, na Revista Americana de Farmacologia.
Contém um grande número de elementos nutricionais, assim como vitaminas e minerais. 

Tais como:
Alto conteúdo de clorofila.
PABA (ácido-amino-benzóico)
Aminoácidos triptofano
Proteínas.
Vitaminas: A, complexo B, vitamina C, D, E, K, U, biotina, inositol, colina.
Minerais: cálcio, fósforo, ferro, magnésio, potássio, sódio, enxofre.

Gérmen de trigo
Assim como o trigo integral, contém uma grande quantidade de nutrientes que o fazem indispensável em toda a alimentação saudável. Contém toda uma gama de vitaminas e minerais e é especialmente rico em vitamina E. Descobriu-se que o óleo derivado do gérmen de trigo melhora a vitalidade e dá longevidade às pessoas. Investigações realizadas verificaram que os elementos ativos do gérmen são a vitamina E e os ácidos graxos essenciais.

Outros estudos confirmaram a existência  de octacosanol, que potencializa as propriedades nutritivas do gérmen de trigo, além de terem descoberto que essa substância ajuda a :

Baixar os níveis de colesterol.
Regular desordens musculares, como a distrofia muscular e problemas neuromusculares.
Melhorar a energia dos músculos e fornecer uma duração maior dessa energia durante os exercícios físicos.

Dar longevidade e vitalidade ao organismo.
Melhorar os reflexos.
Melhorar a utilização do oxigênio durante os exercícios.
Equilibrar o metabolismo que esteja sob estresse.

Créditos: livro “Saúde e Bem-Estar (através de elementos naturais)

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Cistite - inflamação da bexiga


É produzida principalmente por infecção de uma bactéria, a E. coli, que normalmente habita nos intestinos (nas fezes). Esta enfermidade é mais comum nas mulheres.

Os sintomas são:
Vontade de urinar com ardência e dor.
Comichão, irritação e dor na parte da bexiga ou uretra.

A infecção pode estender-se aos rins e infectá-los, o que pode provocar dor na cintura.

Muitas vezes a urina sai com sangue ou pus. Neste caso, pode causar febre ou calafrios.
As causas principais são: infecção da vagina nas mulheres ou da uretra do pênis nos homens.

Esta enfermidade é mais comum nas mulheres, já que existe maior proximidade de bexiga com vagina e também ânus, fazendo com que a infecção suba com mais facilidade do que nos homens.

Em outras ocasiões, a cistite está associada à enfermidade de transmissão sexual, como é o caso da Chlamidia, a qual pode irritar a bexiga, a uretra e os condutos que partem dos rins para a bexiga.

Tratamento:
Asseio minucioso diariamente.
Ingestão de antibiótico natural como própolis de abelha, ou óleo de copaíba.
Ingerir muita água, pelo menos dois litros por dia.

Utilize alimentos diuréticos, evite condimentos, alimentos industrializados, embutidos e sal.

Às vezes a vontade de urinar se manifesta em momentos inconvenientes e por isso as pessoas só aliviam a bexiga horas depois de receberem o sinal de que ela precisa ser esvaziada. 

Mas reter a urina na bexiga favorece o desenvolvimento de bactérias, responsáveis pelas inflamações. No caso dos homens com mais de 40 anos de idade, as consequências não se limitam à inflamação da bexiga. 

Para estes, existe o sério risco de congestão, inflamação e obstrução da próstata.

Além disso, desatender à solicitação da bexiga para que seja esvaziada faz com que ela se dilate e com o tempo passe a ter dificuldade em esvaziar-se completamente, restando sempre um pouco de urina, onde as bactérias crescem com facilidade.

Opções para o tratamento
Acelga- tomar 4 xícaras de chá de acelga diariamente. Use 20g de folhas para 1 litro de água.

Alho e limão – tomar 250ml de água de alho e limão 2 vezes ao dia. Amasse 5 dentes de alho médios e coloque-os de molho em água e suco de limão durante 1 hora.

Berinjelatomar 250ml de suco diluído em água. Bater no liquidificador 1 berinjela, 250ml de água e suco de 1 limão.

Pepino – tomar 250ml de suco de pepino diariamente. Bater no liquidificador com 250ml de água e suco de 1 limão.
Abacaxi, caqui, melancia ou melão substituir 3 refeições da semana por uma das frutas.
Maçãtomar 250ml de suco puro pela manhã, em jejum.
Beldroegatomar 3 xícaras de chá diariamente. Use 20g para 1 litro de água.
Carqueja - tomar 4 xícaras de chá diariamente. Use 20g de folhas para 1 litro de água.
Cavalinha – tomar 3 xícaras de chá diariamente. Use 20g de folhas para 1 litro de água.
Quebra-pedra – tomar 4 xícaras de chá diariamente. Use 20g de folhas para 1 litro de água.

O leitor deve procurar orientação médica diante de qualquer dúvida, principalmente ao lidar com doenças graves e com manifestações agudas.

Créditos: livro “Saúde e Vida” de F. Oliveira
              Consultoria Bambamel Natural

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Você usa o esmalte sem prejudicar as unhas?


Será que a sua unha precisa mesmo de um tempo para respirar? Vale a pena comprar aquele esmalte super caro? Bases cheias de vitaminas adiantam? Essas são só algumas das dúvidas que pairam nas cabeças das mulheres ao escolher qual é o melhor esmalte para passar. 

E não é à toa: muita gente ainda cultiva hábitos que podem até deixar a sua mão impecável nos primeiros dias, mas com o passar do tempo acabam com a saúde das unhas. Especialistas desvendam todos os mitos para ter unhas saudáveis e bem pintadas.
Mito - esmalte escuro pode deixar as unhas amareladas.
Não existe relação entre unhas amarelas e o pigmento do esmalte, explica o dermatologista Valcinir Bedin, presidente da regional de São Paulo da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. A coloração não penetra na unha. Se você tirou o esmalte e notou que as suas unhas estão amareladas, vale procurar um médico para investigar se a saúde delas está em dia. O esmalte só vai mudar a cor da unha caso ela esteja doente.
Mito - a unha precisa de um tempo sem esmalte para respirar.
A unha é composta por queratina, um tecido cujas células estão mortas, ou seja, não respiram e nem precisam descansar do esmalte. Por isso, não faz diferença alguma se elas estão esmaltadas ou não. Situação oposta acontece com as células da pele, que precisam de nutrição. Mas vale sempre dar uma boa olhada nelas quando tirar o esmalte para ver se estão com alguma alteração e tomar cuidado com o removedor. Valcinir Bedin recomenda o uso de removedores cremosos ou de lencinhos prontos com removedor e óleo, que não agridem as cutículas.


Mito - esmalte escuro fortalece a unha.
Esmaltes vermelhos, verdes, pretos ou marrons não fortalecem as unhas. Nenhum componente do esmalte penetra na unha, deixando-as mais fortes ou mais fracas, exceto em casos de doenças das unhas, como micoses, explica o dermatologista Valcinir.
Verdade - crianças não devem usar esmalte.
As unhas das crianças ainda não estão totalmente queratinizadas. Elas são mais moles e frágeis, e, por isso, podem acabar absorvendo os componentes do esmalte. As bordas das unhas - chamadas de sulco ungueal - também são imaturas e podem ter um processo alérgico devido ao uso de esmaltes, causando coceira e vermelhidão. Valcinir Bedin recomenda que crianças não façam o uso de cosméticos. Tinturas e esmaltes são coisas de adulto. O corpo da criança ainda está em desenvolvimento e precisa de produtos neutros, que não agridam pele, unhas e cabelos.
Mito - bases fortalecedoras podem ser usadas indiscriminadamente.
Sempre há um motivo por trás das unhas fragilizadas e é preciso identifica-lo para fazer o tratamento correto. As principais causas de fraqueza das unhas são: dieta inadequada e falta de vitaminas. O médico poderá recomendar produtos para endurecer as unhas, que costumam ter formol ou ácidos retinoico ou glicólico. Tenha certeza de aplicar a base fortalecedora apenas nas unhas, pois elas podem gerar irritação e alergia, quando passadas na cutícula.


Mito - misturar óleos no esmalte prejudica a unha.
A verdade é que misturar óleos de banana, de coco, cravo e até mesmo de argan no esmalte em nada vai melhorar ou piorar a saúde das unhas. A mistura apenas dilui os esmaltes, facilitando a aplicação, explica o dermatologista Adriano Almeida, professor de pós-graduação em dermatologia da Fundação Pele Saudável.

Mito - o preço determina a qualidade do esmalte.
Existem poucos produtores da base do esmalte ao redor do mundo. O diferencial entre as marcas é apenas a cor e o espessante, que são adicionados posteriormente, explica Valcinir Bedin. Procure esmaltes que tenham o selo de certificação da ANVISA e a qualidade comprovada.

Verdade - pessoas sensíveis devem evitar o esmalte cintilante.
Os esmaltes cintilantes possuem uma composição mais agressiva, com substancias que geram alergias de pele, com mais facilidade, como o pigmento mica. Outro causador comum de alergias são os derivados de tolueno, um solvente usado nos esmaltes, explica o dermatologista Adriano. Verifique a presença dessa substancia no frasco antes de comprar o esmalte.

Verdade - misturar colas ao esmalte para prolongar a duração é prejudicial.
Há quem diga que pingar uma gota no esmalte prolonga a duração da esmaltação, deixando as unhas impecáveis por um tempo maior. Valcinir Bedin explica que, se for aplicado somente na unha, composta por células mortas, o esmalte aditivado não causa prejuízos, mas, como ele vai escorrer para as bordas, pode prejudicar a cutícula, deixando-a seca, ressecada e gerando alergias.

Mito - esmaltes, cremes e bases com vitaminas, fazem bem às unhas.
Esse tipo de produto pode até fazer bem à cutícula, mas não terá ação nenhuma sobre a unha. A unha é composta por células mortas, que não absorvem este tipo de nutriente, explica Valcinir Bedin.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Ajude a natureza

A natureza sempre viveu sua vida com ou sem o homem. Contudo, nós interferimos tanto e da pior forma possível, que estamos colocando em risco a vida do planeta terra.

Pensando nisto, Gilson Giombeli, escreveu este texto com uma proposta: faça algo perto de ti. Ajude a natureza. Para ajudá-la precisamos tirar algumas lições dela, entendê-la, observá-la... Antes de agir.

A natureza é biodiversa. O que é biodiversidade? São as variadas formas de vida. Estas formas variadas de vida mantêm o equilíbrio. Esta biodiversidade está presente em todos os ecossistemas. Lembre-se que é preciso cuidar dos mares, rios, montanhas geladas, matas. Fazem parte da biodiversidade. 

Lembre-se que a floresta amazônica é um exemplo. Devemos mantê-la. Contudo, não é a Amazônia sozinha que vai manter o mundo vivo. Proteja os ecossistemas próximos onde você vive.

A biodiversidade precisa estar presente para haver equilíbrio. A vida deve ser abundante e diversa de macro e microorganismos do subsolo ao solo - da água, ao ar, das florestas aos rios, das montanhas aos pólos e em todos os lugares. Assim, tornaremos o nosso mundo biologicamente vivo bioenergético e saudável.

Lembre-se que o equilíbrio inclui a inteiração e o convívio das espécies.
Uma espécie pode ser repelida e/ou beneficiada. Há inimigos e espécies companheiras. É assim que se consegue equilíbrio.

É o ser humano que quer ser o único. Não há equilíbrio no unicismo.
Por mais triste que pareça: o ser humano não suporta a diversidade. Estamos fadados ao fim se não revermos esta nossa postura arrogante e destruidora. Este mundo vive muito bem sem o homem e nós não vivemos sem este mundo.

Uma proposta: ajude a natureza. Como? Cultive plantas medicinais. Ajudam a curar as feridas da humanidade e aprendemos a valorizar tudo que esta a nossa volta. Ai vão algumas dicas: ao cultivar plantas e ervas medicinais é necessário observar a natureza. 

Dela retiram-se lições que são essenciais ao cultivo.
Uma regra é: imite a natureza. Alguém vai perguntar, como assim?
Na natureza não há monocultura, ou seja, não há uma única planta naquele local. Veja um exemplo, a araucária é uma planta que predominante onde ela cresce. Contudo, há muitas plantas que convivem no mesmo ambiente.
    
Segunda regra: não retire ou mate. Mesmo que seja um inseto ou eliminar determinada planta geralmente ocasiona o desequilíbrio natural. Um único inseto pode alimentar muitas espécies. No desaparecimento de qualquer um deles ocasiona um descontrole ou uma destruição de um conjunto de espécies.

Terceira regra: ao interferir procure beneficiar.
E, um último lembrete: “O maior e mais completo de todos os fertilizantes é o amor.” Encerro este texto com outra frase: “se não fizermos algo com amor, é melhor que não o façamos, pois o seu resultado de antemão já é um fracasso.” (frase de Odilon Beilner; da obra: Iniciação à Agroecologia).

Créditos: humaniversidade.com.br

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Suco para cólicas menstruais

Ingredientes
1 copo de água
10g de camomila (fazer chá)
5g de anis (erva-doce)
5g de alecrim
1 colher de sopa de leite em pó de soja
Adoçar com mel
Modo de preparo: primeiro faça o chá em infusão das sumidades (flores
da camomila), do anis e ao alecrim. Abafe por dez minutos. Depois bata com os outros ingredientes no liquidificador.
Dose recomendada: tomar várias vezes ao dia.
Principais elementos terapêuticos
Camomila: é analgésica, por causa do ácido salicílico, o mesmo do
Melhoral. Possui efeito calmante, usada em pessoas com problemas nervosos.

Normaliza o ciclo menstrual das mulheres, além de acalmar e aliviar a tensão e as cólicas menstruais.
Anis (erva-doce): é regulador das tensões pré-menstruais.
Alecrim: combate as cólicas menstruais.
Soja: contém substâncias químicas chamadas fitoestrogênios, com
notável capacidade de imitar o estrogênio, hormônio sexual feminino. Alivia as cólicas.



Autor: Lelington Lobo Franco (químico e fotologia)

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...