quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Dr. Oz ensina como quebrar a dieta e resistir aos doces

Créditos da imagem: Doctor Oz


Em entrevista exclusiva à Marie Claire, o médico e apresentador explicou como manter a perda de peso mesmo sem abrir mão permanentemente dos pratos favoritos. 
Mehmet Öz, mais conhecido como Dr. Oz, é um dos médicos mais famosos da TV americana. Com aparições no programa da apresentadora Oprah Winfrey, o cardiologista, formado em Harvard e professor da Universidade de Columbia, se tornou uma espécie de guru da vida saudável naquele país.  Em seu talk show, exibido no Brasil pelo canal Sony, o especialista em saúde sempre aborda um dos temas mais caros às mulheres que desejam emagrecer: como manter uma dieta.
"A melhor maneira de perder peso é, definitivamente, com um regime equilibrado baseado na ingestão de nutrientes, proteínas, fibras, cálcio, vitaminas e minerais", disse o médico. 

Nesta entrevista exclusiva à Marie Claire, Dr. Oz também falou sobre como "comer limpo", resistir aos doces e ainda ensinou duas receitas de smoothies saudáveis. 

Marie Claire - Há alguma nova tendência em dieta nos Estados Unidos?
Dr. Oz - Há muitas tendências loucas por aí. Uma das perigosas que comentei no programa é a dieta da bola de algodão, na qual as pessoas mergulham pedaços de algodão em algo como suco de laranja. Elas comem o algodão para não ingerir calorias e se sentir satisfeitas. Isto é extremamente perigoso, porque pode bloquear o trato intestinal. Se uma dieta soa muito louca e extrema, então ela provavelmente é mesmo.

MC - Quais são os melhores ingredientes para aumentar o metabolismo e como usá-los?
Dr. Oz- A melhor maneira de aumentar o seu metabolismo é com o exercício físico. E você não precisa correr uma maratona. Tente fazer uma série de exercícios curtos ao longo do dia. E certifique-se de fazer musculação para aumentar a massa muscular. As células musculares queimam mais calorias do que as células de gordura, mesmo quando você não está se exercitando!

MC - Na sua opinião, uma dieta detox é uma boa maneira de perder peso? Por quê?
Dr. Oz A melhor maneira de perder peso e mantê-lo é mudando os hábitos alimentares. Afinal de contas, todos nós queremos uma dieta que dure, certo? Então, um detox pode ser uma boa maneira de potencializar a perda de peso e ainda se livrar das toxinas, mas não deve ser um plano de longo prazo. Além disso, antes de fazer qualquer dieta do tipo, oriente-se com um médico e verifique se você está bem o suficiente para a dieta não colocar sua saúde em risco.

MC - Você fala muito sobre comer limpo. Isto é um detox? Por que é tão importante? Quantas vezes devemos fazer isso? O que é permitido comer neste processo?
Dr. OzComer limpo não é uma desintoxicação ou dieta radical. É um estilo de vida. É importante porque mantém o corpo saudável e em forma para se ter uma vida longa com boa saúde. Muito disso tem a ver com não comer alimentos altamente processados, que muitas vezes possuem muitos sais e açúcares. Eles podem provocar problemas cardíacos, obesidade, diabetes e uma série de outros problemas de saúde. Carnes vermelhas processadas têm sido associadas ao câncer de intestino.

Os melhores alimentos são os integrais, naturais e não processados. É isto que quero dizer com limpo. Não significa que você precisa abandonar seus pratos favoritos. Apenas torná-los mais saudáveis, com grãos integrais, frutas frescas, vegetais e carnes orgânicas [animais alimentados com capim sem hormônios]. O mesmo vale para os ovos. Comer limpo é simples,  fácil de fazer e seu corpo agradecerá.

MC - Qual dica você daria para resistir aos doces quando estamos de dieta?
Dr. Oz - Quanto menos você come alimentos açucarados, menos você os deseja. Mas todos nós queremos uma sobremesa de vez em quando. Apenas certifique-se de que ela é saudável. Em vez de doces, opte por iogurte com calda de mel, pois ele é melhor do que o açúcar. Ou coma uma fruta.. Outra ótima opção é um pedaço de chocolate meio amargo, que é cheio de antioxidantes saudáveis ​​para o coração.

MC - O quanto a dieta e os exercícios físicos são importantes num processo de perda de peso?
Dr. Oz - Não há um campeão. Ambos são igualmente importantes. E não se deve fazer nada ao extremo. Se você está se exercitando muito, certifique-se de ingerir grãos integrais e proteínas para reabastecer os músculos e manter sua energia. Não passe fome e malhe até a exaustão. Exercício é bom para cada parte do corpo, do coração ao cérebro, por isso, nunca pare com as atividades físicas só porque você está comendo menos.

MC - Como a folga da dieta funciona? É recomendado para todos?
Dr. OZSim, a folga da dieta é recomendada para pessoas de todos os tipos físicos e hábitos alimentares. Realmente funciona! Ela tem base na ciência, e é o que o nome diz. Você come de acordo com a dieta seis dias da semana e, então, tira uma "folga" por 24 horas. Você não irá acabar com seu esforço, mas irá desfrutar de seus alimentos favoritos com moderação.

MC - Você poderia dar algumas receitas de sucos ou vitaminas que ajudam na perda de peso?
Dr. OZ - Certo! Eu adoro um bom smoothie. Este é feito com todos os tipos de nutrientes e você pode adaptá-lo para incluir os alimentos que gosta. Aqui estão alguns dos meus favoritos do dia da "folga".
Para o café da manhã, experimente um smoothie de manteiga de amêndoas com banana. A sua textura rica e cremosa vai deixá-lo satisfeito.


Ingredientes
200 ml de iogurte natural
1 colher de sopa de manteiga de amêndoa
1/2 de banana
1 colher de sopa de óleo de linhaça ou semente de linhaça moída
gelo (use para deixá-lo menos espesso)

Modo de fazer: bata os ingredientes no liquidificador até criar um suco homogêneo. Seja criativo com seu smoothie, adicione mais ingredientes à mistura.

Veja algumas opções
- 1/2 xícara de mirtilos frescos com 2 colheres de chá de gengibre.
- 1 xícara de couve picada com 1/2 colher de chá de açafrão.
- 1/2 xícara de morangos / framboesas com extrato de baunilha com 1 colher de chá.

Créditos: Revista Marie Claire – Acesso dia 27 setembro de 2016

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Quais são os efeitos da gargalhada no corpo?

Humor na cabeça: o córtex, localizado na superfície da massa cinzenta, é responsável por disparar o riso. Ao ouvirmos uma piada, o hemisfério esquerdo trabalha para decifrar a mensagem transmitida. Feito isso, o hemisfério direito processa emocionalmente a informação, o que nos permite compreendê-la como algo engraçado.

Faxina nos pulmões: a risada aumenta a quantidade de ar captada pelos pulmões e facilita a saída de gás carbônico. Isso amplia a frequência de batimento dos cílios dos brônquios, que mandam impurezas e micro-organismos estranhos para fora mais rápido.

Exercício intenso: quando rimos, promovemos uma série de contrações curtas e fortes nos músculos do abdômen e no diafragma. Como resultado dessa ginástica, há uma melhora na irrigação e no funcionamento dos órgãos internos.

Relaxamento total: toda a musculatura desfruta dos benefícios de uma boa gargalhada. Graças à endorfina, neurotransmissor liberado pelo cérebro, entramos em um estado de profundo relaxamento, mandando dores e tensões embora.

Coração fortalecido: rir é uma ótima pedida para quem deseja fortalecer o coração. Isso porque a musculatura cardíaca fica relaxada, os vasos dilatam e a pressão arterial é reduzida, o que ajuda a prevenir infartos e derrames.

Defesas turbinadas: os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, despencam quando caímos na risada. Como consequência, há um aumento da produção de células brancas essenciais no fortalecimento do sistema imune.

Por que choramos de tanto rir?
Durante um ataque de riso, os músculos risório e zigomático, localizados nas maças do rosto, se contraem e pressionam as glândulas lacrimais, ativando-as. Com o estimulo, elas podem acionar a produção das lágrimas, que se acumulam no lago lacrimal até transbordarem.

Créditos: revista Saúde

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Pão de sementes crocantes

Mais do que sem glúten (tão nocivo para tantas pessoas), o pão ideal é também com baixo teor de carboidratos. Este é fácil e rápido, crocante e saboroso.

Ingredientes
• 2 colheres de sopa de Psyllium em pó (disponível em loja de produtos naturais, farmácias ou mercados centrais)
• 1 e 1/2 xícara de água
• 1/2 xícara de amêndoas
• 1/2 xícara de avelãs
• 1/2 xícara de sementes de gergelim
• 1/2 xícara de sementes de girassol
• 1/2 xícara de sementes de abóbora cruas e sem casca
• 1 ou 2 colheres de chá de sal
• 3 colheres de sopa de azeite

Modo de preparo: misture Psyllium e água em uma tigela. Reserve por 5 minutos até formar um gel grosso.
No processador, misture todas as sementes, amêndoas, avelãs e pulse algumas vezes, o suficiente para triturá-las grosseiramente.
Coloque em uma tigela, adicione sal e azeite.
Adicione o gel e misture bem.
Reserve por 1 hora para as sementes hidratarem.
Despeje em uma forma de muffin untada e leve ao forno aquecido a 180º C por 45 -50 minutos.

O psyllium é a casca retirada das sementes de uma planta do gênero Plantago. Essa casca é rica em mucilagem, fibras solúveis, insolúveis e alguns óleos essenciais para o nosso organismo.


Autor da receita e imagem: Flávio Passos – Chef de cozinha e pesquisador de nutrição

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O emprego de óleos essenciais na revitalização e cura de plantas

A evolução na Terra exigiu que muitas espécies tivessem que lidar com grandes adversidades a serem vencidas, entendidas e aceitas. Aquelas espécies mais fracas, incapazes de aprender e mudar, de se adaptar, simplesmente sumiram, deixaram de existir no planeta. As situações enfrentadas, envolviam um aprendizado adquirido à duras penas. Este aprendizado ficou registrado na genética permitindo assim um aperfeiçoamento das espécies.

As plantas e árvores viveram isso silenciosa e espiritualmente, de uma forma que o ser humano, por ter esquecido de como fazê-lo, não se encontra mais preparado para entender.

As gimnospermas, que surgiram há 450 milhões de anos, foram os primeiros vegetais a possuir óleo essencial. Até então, o planeta não era lá muito perfumado. Elas criaram compostos aromáticos como meio de sobrevivência, já que na mudança glacial, o óleo essencial mesclado à resina, evitava que o frio congelasse a água em seus vasos prevenindo sua morte por hemorragia interna. Pinheiros, tuias, ciprestes, araucárias, juníperos, são remanescentes desta época, onde os grandes dinossauros reinavam. Para se protegerem, estas árvores se armaram, fecharam-se em pinhas, folhas em forma de agulhas e rígidos troncos. Como defesa, tornaram-se seres individualistas e introjetados em si mesmos.

O tempo passou... E há 150 milhões de anos surgiu a primeira flor. Ela surgiu em um momento em que as plantas descobriam que precisavam se comunicar com outras espécies. Assim, de forma romântica e sedutora, elas criaram cheiros que atraiam as abelhas, pássaros, e animais. Criaram pétalas macias e coloridas em seus órgãos sexuais como uma maneira de chamar atenção. Esta foi a era das angiospermas. Neste mesmo período, outras plantas, incomodadas com o ataque de insetos, lagartas e microorganismos, criaram aromas repelentes e antibióticos poderosos, que lhes possibilitaram continuar a perpetuar-se até os dias atuais.

O cheiro foi o ‘‘verbo’’, o meio pelo qual as plantas, no decorrer da evolução, aprenderam a usar para ‘‘gritar’’ e se comunicar, fosse entre si, ou entre as espécies. Mais do que isso, ‘‘homeopática’’ e ‘‘quanticamente’’ falando, o óleo essencial carrega informações importantes e preciosas desta ‘‘fala’’, deste aprendizado conquistado no decorrer da evolução. E, esta ‘‘informação’’ pode ser absorvida e ser utilizada por outras espécies, pois, o óleo essencial é como uma ‘‘frase’’ ou uma ‘‘música’’ da planta, que pode ser guardada dentro de um vidro, inalada, sendo capaz de despertar sentimentos, sensações e energias ocultas no interior de cada ser.

A experiência tem demonstrado que o emprego de óleos essenciais em plantas é muito positivo para seu reequilíbrio, pois devolve a um ser uma informação já introjetada e aprendida por outro, o mesmo se sucedendo conosco e animais. Além disso, compostos químicos presentes nos óleos podem influenciar a germinação, brotação, induzir à florada ou frutificação de forma alelopática e diferente entre as espécies. Óleos como vetiver, pitanga e a priprioca, induzem aumento no crescimento e fortalecimento de várias plantas folhosas. Óleos de plantas do cerrado como o alecrim do cerrado, são revitalizantes, aumentam a floração e resistência. Breu, tea tree, olíbano aumentam a imunidade vegetal reduzindo o aparecimento de fungos e cochonilhas.

Nota-se que as violetas adoram óleo de lavanda, que também reduz a dificuldade de crescimento vegetal visível em ambientes turbulentos e com brigas, talvez por ser anti stress e calmante e provir de uma planta que aprendeu a crescer em meio às dificuldades das montanhas pedregosas e frias da Europa.

Como usar: 1-3 gotas de óleo em 1L de água. Sacudir bem até diluir. Dar esta água para as plantas na rega 3 X por semana. Mais do que isso pode matar as plantas, portanto sem exageros.

Relato
Plantei buganvílias aqui em casa, mas elas não iam pra frente de jeito nenhum, não davam flor e as poucas folhas ficavam cheias de ferrugem e logo caíam.

Ao participar do curso de Aromatologia do Fabian, aprendi que algumas gotas de óleo essencial de alecrim do cerrado (Baccharis dracunculifolia) na água da rega podem ajudar a revitalizar o solo e a planta. Em uma outra palestra, da agrônoma Ana Primavesi, aprendi que fungo nas folhas pode ser sinal de falta de iodo no solo. 

Assim, comecei a regar as buganvílias (cinco plantas) com 1 litro de água, 1 gota de iodo (comprado em farmácia) e 3 a 4 gotas de óleo essencial de alecrim do cerrado. O resultado está aí na foto, para quem quiser acreditar...
Arquiteto Carlos Solano
arquitetocarlosolano@gmail.com

Créditos: Laszlo Aromaterapia – Fabian Laszlo - prof. Aromatologista Fabian Laszlo
http://laszlo.ind.br/ Acesso dia 06/07/2016

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Benefícios do cloreto de magnésio – por Dr. Luiz Moura

Imagem: Reprodução
O magnésio é de enorme importância no uso do dia a dia, todo mundo deveria tomar, porque os alimentos hoje estão pobres de magnésio. O motivo é simples demais, é que as plantas precisam muito do magnésio para respirar. O mecanismo clorofílico delas - isto é, a fixação do gás carbônico e eliminação do oxigênio - é o contrário do que nós fazemos. Na planta quem faz é a clorofila através do magnésio. Acontece que o adubo químico que se usa hoje em dia é o NPK - nitrogênio, fósforo e potássio. 

Não se repõe o magnésio na terra. Antigamente - quando as cidades eram todas de casas que tinham fossa - o magnésio que é eliminado pelas fezes voltava para o lençol freático. Mas hoje vai tudo para os rios e para o mar, havendo pauperização crescente de magnésio nas terras. As duas funções mais importantes do magnésio são regular o metabolismo do cálcio no organismo e fixar cálcio onde deve haver e eliminar cálcio onde não deve haver. 


Imagem: Freepik
As calcificações na coluna, as calcificações nas articulações, as calcificações nas artérias, ocorrem por essa carência de magnésio. As calcificações nos rins, cálculos de oxalato de cálcio, ocorrem por falta de magnésio. Basta dar magnésio para o paciente que ele derrete esses cálculos renais, que não sejam os de urato e fosfato. 

O professor Pierre Delbet, médico, usava o magnésio para lavar as feridas na guerra de 1914 a 1918, sem saber o porquê. Depois ele descobriu que o magnésio ativava também o Sistema Imunológico. A prova disso é que, na França, o mapa do câncer e o mapa do magnésio mostram que na metade sul da França terras têm muito magnésio e a mortalidade por câncer era de menos de 3,5% (três e meio por cento). E no norte da França, em que as terras são pobres de magnésio, mais de 8,5% (oito e meio por cento) das pessoas morriam de câncer.  


Imagem: Freepik
Na Itália é muito pior, a experiência é interessantíssima, devido a um decreto de um César válido até hoje. Muita gente morre de câncer sem saber por quê. No livro do professor Pierre Delbet “A Política Preventiva do Câncer”, ele mostra a incidência de câncer do norte até o sul da Itália. Por um decreto, ainda em vigor, de um imperador, de um dos Césares romanos, era proibido transportar o sal de uma região para outra para não encarecer o sal, a finalidade era essa. Acontece que por causa disso - e como o norte da Itália é muito rico em minas de salgema, sal da terra que tem só cloreto de sódio e zero em magnésio - a incidência de câncer varia de 7% (sete por cento) a 10% (dez por cento).

No centro da Itália, onde está a capital Roma, o povo já usa sal do mar. Mas, como tem mais poder aquisitivo, usa um sal que tem um pouquinho de magnésio, 0,08% (zero vírgula zero oito por cento) de magnésio. A incidência de câncer cai para 4,5% (quatro e meio por cento). E no sul da Itália, por pobreza, o povo usa o sal que ele dá para o gado, que é um sal riquíssimo em magnésio, mas que vira água, vira salmoura. Então eles usam tinas de madeira, na qual põem o sal, temperando a comida. É tradição deles. E, por causa disso, no sul da Itália a incidência de câncer não chega a 2% (dois por cento), pelo magnésio contido. 




Imagem: Freepik
Dosagem do uso do magnésio
Para preparar é a coisa mais simples: 20g (vinte gramas) ou duas colheres de sopa das rasas em 1 (um) litro de água. Se a pessoa não tiver nada, como suplemento alimentar, tomar 1 (uma) xícara das de cafezinho por dia. Mas se a pessoa já tiver coluna com osteófítos (bicos de papagaio), artrose, tomar 2 (duas) xícaras das de cafezinho por dia dessa solução de cloreto de magnésio. No caso de cálculo renal, eu chego a dar 3 (três) por dia, quando os cálculos são de oxalato de cálcio. Para lavar as feridas não se usa essa solução forte de 20g (vinte gramas) em 1 (um) litro d’água. 

Usa-se uma solução que fica isotônica, 20g (vinte gramas) em 2 (dois) litros de água. Essa solução funciona melhor do que desinfetantes. Porque, além de funcionar como desinfetante, ela estimula o Sistema Imunológico no local.

E nos casos das verrugas?
As verrugas ocorrem por falta de magnésio. E devido a essa deficiência os vírus conseguem se multiplicar, criando verrugas. E se o cloreto ficar úmido dentro do frasco? Não tem problema, nenhuma importância, o sal não tem tempo de validade, o magnésio não tem tempo de validade, é eterno.

Cálculos renais
A falta de magnésio é que causa os cálculos renais de oxalato de cálcio. O cálcio se precipita e se fixa ao ácido oxálico contido na batata, tomate, espinafre, etc., gerando os cálculos renais de oxalato de cálcio.

Existem outros tipos de cálculos renais?
Existem os de uratos produzidos pelas carnes - principalmente vísceras - e os de fosfato, que provém dos legumes que têm fosfatos.

O cloreto de magnésio freia as metástases do câncer?
Não, isso, frear, eu não digo; mas eu digo, pelo menos retarda, como o professor Pierre Delbet provou no seu livro “A política preventiva do câncer”. O indivíduo - usando uma quantidade suficiente de magnésio a vida inteira - tem a possibilidade de ter câncer incomparavelmente menor do que quem tem carência de magnésio.

Há contra-indicação para o uso do cloreto de magnésio?
O único caso que existe é se a pessoa tiver insuficiência renal. Porque o magnésio em excesso se elimina pela urina. Agora se a pessoa não estiver urinando, aí pode passar de uma hipomagnesemia - que é o comum - para uma hipermagnesemia. Mas só se a pessoa não estiver urinando normalmente.

Dosagem correta do magnésio
Por exemplo, uma coisa errada: o cloreto de magnésio vendido nas farmácias na dose de 33g (trinta e três gramas), se dissolver em 1 (um) litro de água pode ser laxante. Aí está realmente excessivamente concentrado, teria que ser 20g (vinte gramas) em 1 (um) litro. Ou essas 33g (trinta e três gramas) devem se dissolvidas em 1 ½ (um e meio) litro de água.

O magnésio certo deve ser o cloreto de magnésio P.A. (P.A. = Para Análise). Daqui se extrai todas as formas de magnésio que o organismo humano usa nas infinitas ações químicas e biológicas. 

A concentração ensinada pelo Padre Beno, de 33 gr por litro é forte, por isso muitas pessoas achavam que tinham intolerância ao cloreto de magnésio.

Este artigo, não oferece aconselhamento médico, nem recomenda técnicas de tratamento para males físicos, sem conselho médico, direto ou indireto.

Créditos: Dra. Tamara Mazaracki - Graduação em Medicina – UNIRIOMembro da Associação Brasileira de Nutrologia – ABRAN - Dr. Luiz Moura (04/05/1925 – 07/06/2016)

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

A beleza da mulher segundo o coração de Deus


A beleza é um dos triunfos da mulher. Querer ser bela é inerente à feminilidade. Hoje, ela não apenas reina no lar, mas projeta-se no cenário público. E é bom que esteja apta para reinar com toda a sua pujança. A Rainha Ester impressionou pela sua beleza, não apenas ao rei, mas ao guarda das mulheres e a todos que a cercavam (Ester 2). A beleza de Ester não era superficial e nos fala de muito preparo. Foram doze meses de embelezamento. 
A receita para este tratamento

Limpeza interior: do coração procedem as fontes da vida -(Pv 4.20-27). Dele é necessário retirar todas as manchas, cicatrizes de amargura, frustrações, toda a sujeira que esteja poluindo a alma.
Elixir de rejuvenescimento: a mente exerce um grande poder sobre nós. Somos, realmente, aquilo que pensamos: belas, feias, novas ou velhas. Paulo fala em transformação pela renovação da mente (Rm 12.2). Tem mais efeito que as cirurgias plásticas, que concertam ou pioram apenas o que é exterior. 
Óleo para a cabeça: o óleo da união que nos leva a amar as pessoas, aceitá-las como são. Óleo que lubrifica os relacionamentos, fluindo como ingredientes para uma convivência saudável.
Batom para os lábios: é o louvor. Salmo 34.1 nos recomenda a usá-lo constantemente. Evitemos palavras ferinas, negativas ou hábitos da murmuração.
Maquiagem: não há processo mais eficaz para embelezar a face do que a alegria. "O coração alegre aformoseia o rosto..." ( Pv 15.13 ).
Brilho: o tempo que passamos com Deus dá brilho à vida.  "Para ser bela para um minuto diante do espelho, cinco minutos diante da sua alma e quinze minutos diante de Deus" - Michel Quoist.
Creme para as mãos: mãos adornadas com o serviço ao próximo. Mãos que trabalham, constroem, ajudam, mãos que sustentam os debilitados.
Etiqueta social: completam o trabalho realizado. Define-se apenas numa palavra AMOR. Sem ele nada tem valor. E com ele é possível nos apresentarmos com nobreza em qualquer ambiente. (1 Co 13.5) " O amor comporta-se bem e não busca vantagens próprias".

Texto adaptado
Créditos: Samara Moreno

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Um abdômen duro e sequinho com argila vermelha, amarela e verde

A esteticista Marília Gonçalves, do Zahra Spa & Estética (SP), ensina a seguir como fazer uma receita caseira de uma máscara a ser feita três vezes por semana com um tipo de argila (vermelha, amarela e verde) a cada vez, e aplicada na região do abdômen para combater a gordura localizada. 

“Esses ingredientes são os mesmos que usamos no spa porque eles têm o poder de contribuir para a queima de gordura corporal, melhorar a circulação sanguínea e por essa razão ajuda a eliminar a celulite, reduzir medidas e ainda nutrir os tecidos com sais minerais. ” 

O resultado começa a aparecer a partir da sétima sessão, mas o sonho do abdômen chapado tende a se concretizar depois de quatro semanas, pois são três sessões semanais, o que dá ao todo 20 sessões.

Receita caseira
Ingredientes:
 ½ xícara de chá de açúcar;
½ xícara de chá de hidratante corporal;
1 xícara de argilas (vermelha, amarela ou verde - cada dia da semana faça com uma argila diferente);
Atadura de crepe (faixa) e chá verde (o suficiente para amolecer a argila)

Modo de fazer: misture o açúcar ao hidratante corporal que costuma usar. Reserve. Dilua a argila no chá verde até ficar uma mistura homogênea, com a consistência de um mingau. 

Modo de aplicação: use a primeira mistura no abdômen, fazendo movimentos circulares com pouca pressão, com o objetivo de esfoliar a região. Enxágue. Aplique a segunda mistura com a ajuda de um pincel em toda região do abdômen (barriga e flancos), enrole a atadura bem firme e deixe agir por 20 minutos. Enxágue.


Créditos: Revista Plástica e Beleza

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Suco para ter um sono tranquilo

Ingredientes
2g de camomila
2g de hortelã-pimenta
2g de melissa
1 folha de alface
1 copo de água
Modo de preparo: fazer o chá por infusão das ervas, misturar e tomar logo em seguida.
Dose recomendada: 1 copo, antes de dormir.

2º suco
Casca de 1 limão
2g de gengibre
½ copo de suco de maracujá
½ de água mineral
Adoçar a gosto
Modo de preparo: bater no liquidificador as cascas de 3 limões, com 2g de gengibre picado. Adicione o suco de maracujá e ½ copo de água mineral.
Dose recomendada: 1 copo, antes de dormir.

Principais elementos terapêuticos
Cascas de limão: possuem hisperidina e limoneno, que são excelentes calmantes para pessoas nervosas e com insônia.
Gengibre: tem atividade antidepressiva.
Maracujá: tem alcalóides que ajudam a normalizar os desequilíbrios do sistema nervoso central.
Camomila: o chá tem efeito calmante para o tratamento de problemas nervosos. Acalma as dores de cabeça, em virtude do AAS, que é um poderoso analgésico.
Hortelã-pimenta: é usada para aqueles que têm insônia e é sedativa do sistema nervoso central.
Melissa ou erva-cidreira: é sedativa, possui substâncias que relaxam a tensão nervosa e a ansiedade, sendo um excelente calmante.

Créditos: Professor Lelington Lobo Franco, químico e fitologista.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Alimentos funcionais para estimular a função hepática (fígado)

O fígado é responsável pela produção da bile, fundamental no processo digestivo e de anticorpos. Algumas enfermidades relacionadas ao mau funcionamento do fígado: cálculos biliares, cirrose hepática, hemorróidas, hepatite, hidropisia, icterícia e peritonite, entre outras.
As principais causas de enfermidades no fígado: bebidas alcoólicas, altas taxas de colesterol e excessos de gorduras na alimentação.
“Não adianta comprar bebidas caras ou importadas para evitar problemas com o fígado, porque ele não sabe ler rótulos. O que importa é a quantidade de bebida consumida e quanto se bebe ao longo da vida. As mulheres são mais “fracas” para as bebidas alcoólicas. Segundo o Dr. Paulo Celso Bosco Massarollo, se elas consumirem de 20 a 40 gramas de álcool todos os dias, durante 5 anos, certamente desenvolverão doenças hepáticas. Para os homens, o limite são 60 gramas. Uma única dose de uísque tem 10 gramas de álcool.”

Esta dieta retira a acidez do organismo.
Chás amargos: sucupira, limão (o limão e a maçã verde são desintoxicantes), carqueja, boldo, estomalina.
Deixar as gorduras, frituras.
Cozinhar só com água, não refogar.
Substituir os doces pelas frutas e mel.
Desjejum com mingau de aveia, trigo e maçã.
Mamão e flocos de milho.

Almoço: grãos cozidos e temperados: arroz, milho, saladas cruas com muita cebola.
Jantar: batata, mandioca, cará, inhame com brócolis e couve, ou frutas doces como figos, caquis, maçã. Banana não combina com amidos.

Evitar: alimentos industrializados, carnes gordas, frituras em geral, excesso de carnes, leites integrais e ovos fritos, margarina, gordura hidrogenada, embutidos, açúcar, geléias e doces concentrados, cogumelo, vinagre, mostarda, molho inglês, pimenta, defumados, leguminosas, frutas ácidas, cravo, cominho, anis, páprica, nozes, chocolate, farinhas brancas, queijos condimentados.

Alimentos funcionais para estimular a função hepática e a vitalidade: agrião, acelga, chicória, dente-de-leão, aipo, beterraba, folhas amargas em geral, alcachofra, sucos verdes, arroz integral, painço, mel, brotos em geral, azeite de oliva, suco de uva e morango (orgânicos), água de coco.

Alimentos chaves: mel, painço, arroz integral, suco de uva e folhas verdes.

Chás recomendados: chá de macela, chás hepáticos em geral de preferência antes de dormir, com ou sem mel.

Mel de cipó-uva: sem acidez, desintoxicante do fígado e da bílis, elimina os efeitos do álcool no organismo. É um ótimo tratamento da hepatite.

A hepatite e os efeitos que causa no fígado humano


A fibrose hepática é o resultado de uma resposta cicatricial do fígado a agressões repetidas. Após uma lesão aguda, como uma hepatite viral, as células do fígado regeneram e substituem as células que morreram. Durante esse processo ocorre uma resposta inflamatória. Se a lesão persistir, a regeneração deixa de ser possível e as células mortas são substituídas por tecido fibroso. 

A progressão deste processo conduz à formação de extensas áreas de fibrose (F1, F2, F3) e evolução para cirrose hepática (F4).
De acordo com Marina Neves, médica hepatologista da Clínica ABPH de Fortaleza (CE), dependendo do tempo, intensidade e da extensão da agressão, este quadro pode ser reversível, ou então ele pode progredir para doença hepática crônica e posteriormente a cirrose. Ainda segundo a doutora, na grande maioria dos casos esse processo se desenvolve de maneira silenciosa, com manifestações da doença apenas em estágios mais avançados, quando inclusive, existe o risco maior do surgimento de câncer no fígado.


As informações contidas nesta página são orientações gerais. Elas nunca devem substituir as especificações feitas pelo médico para o seu caso.

Créditos:
Professora naturalista Suely de Oliveira Pereira
Livro: Saúde e vida – F. Oliveira
Karen Sukadolnik – naturóloga, formada pela Universidade do sul de Santa Catarina – UNISUL
Dra. Marina Neves, médica hepatologista da Clínica ABPH de Fortaleza (CE) – ABPH(informativo)
Bambamel

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...