sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tipos de mulheres: mentes belas e complicadas (Augusto Cury)

Esta série de características, serão classificadas por tipos de personalidade. Apesar de sabermos que toda a classificação é injusta e distorcida, mulheres e homens passearão por vários grupos que se identificarão com alguns deles.  Interessante e educativo, em especial para observarmos como as mentes são complexas e complicadas.

Não existem mulheres perfeitas nem muito menos homens perfeitos. Mulheres inteligentes não desistem, se reconstroem; não desanimam, se encorajam; não se inferiorizam, resgatam sua autoestima. Para algumas mulheres, as lágrimas são apenas gotas expulsas de olhos intimidados, para outras mais nobres, são pérolas que se apresentam no palco do rosto e desenham um novo traçado em sua história!

Mulheres analíticas: possuem uma plataforma de janelas no córtex cerebral que conduz o Eu a ser ponderado, dosado, equilibrado. Refletem sobre os comportamentos que as rodeiam, o tom de voz, postura e conteúdo das palavras. Analisam atitudes agressivas contra elas e pensam antes de reagir, falar em cada situação. Sabem esperar, pois curtem o processo para atingir seus objetivos. São estrategistas, planejam o futuro.
Aspectos positivos: o Eu é ponderado, dosado, equilibrado. São autoras de sua história. Amam a lei do esforço maior. São admiráveis intelectualmente. Ainda que sejam bonitas pelos padrões de beleza sociais, cativam por sua inteligência do que pelas curvas do corpo
Aspectos negativos: se forem excessivamente analíticas, perdem a espontaneidade, contraem a leveza da vida, diminuem o bom humor. Correm o risco de se posicionar não como um ser humano, mas como psicóloga diante do comportamento de seu parceiro, filhos e os demais. Se não trabalharem sua autossuficiência e sua “superioridade” intelectual, poderão se isolar e ter dificuldade de construir romances e amizades. São encantadoras, mas não são poucos os homens que têm medo dessas mulheres.

Mulheres observadoras: equiparam, ainda que inconscientemente, seu Eu para ter um olhar aguçado, felino, acurado. Captam tudo o que se passa ao se redor. São capazes de conversar, realizar tarefas e, ao mesmo tempo, reparar nas roupas, bolsas e sapatos de outras mulheres. . Fotografam detalhes com incrível acuidade.
Aspectos positivos: se também forem analíticas, desenvolvem uma fascinante habilidade para produzir novas idéias. Seu Eu é flexível e aberto, enxergam os problemas por múltiplos ângulos. Possuem uma intuição intensa e imaginação livre.
Aspectos negativos: o Eu das mulheres observadoras abre tantas janelas na MUC que pode se perder nos detalhes. A falta de foco prejudica a realização dos sonhos. Podem dar atenção exagerada a críticas, rejeições, incompreensões, perdendo assim a proteção emocional.

Mulheres contemplativas: toda mente contemplativa é primeiramente observadora. São psiquicamente privilegiadas. Escrevem uma belíssima história emocional. Fazem um show dos pequenos eventos. Transformam as pequenas coisas num espetáculo a seus olhos. Por terem um Eu contemplativo, elas lapidam a arte de deduzir e induzir. Ultrapassam os limites do sistema sensorial, enxergam o que está por trás das imagens e ouvem o que os sons não declaram.
Aspectos positivos: vacinam-se contra o consumismo.  Seus valores são internos. São emocionalmente tranquilas e intelectualmente profundas. Sabem homenagear a vida e enxergá-la como um espetáculo imperdível. São generosas, tolerantes, altruístas e preocupadas com o futuro do planeta e da humanidade.
Aspectos negativos: se forem excessivamente contemplativas, podem se desconectar da realidade concreta, isolar-se e ficar no mundo dos seus pensamentos. Tornam-se individualistas, vivem ensimesmadas e consequentemente podem-se aprisionar numa masmorra psíquica.  Excetuando-se esses riscos, possuir uma mente contemplativa é uma dádiva. Em todas as esferas escolares se deveria estimular crianças, adolescentes e universitários a desenvolvê-la.

Mulheres "casulos": São intimistas, interiorizadas, tímidas. Têm apreço por leitura e propensão à intelectualidade, ou seja, para o desenvolvimento da mente analítica. Ao longo do processo de formação da personalidade, essas mulheres produziram janelas que as colocaram com um pé atrás na relação. Apesar disso, nem sempre têm medo de se entregar e confiar nas pessoas.
Aspectos positivos: fechadas, mas humanas; tímidas, mas generosas. São sensíveis e preocupadas com a dor dos outros, embora tenham dificuldades de demonstrar afetos. São tão éticas que preferem se machucar a ferir os outros. Pensam antes de reagir e falar. São muito discretas.
Aspectos negativos: não têm grande proteção emocional, pequenos problemas, decepções, frustrações, causam grande impacto. Em relacionamentos amorosos correm o risco de se fechar em torno do casal. Distanciam-se dos pais, parentes, amigos. Em alguns casos se tornam o terror das sogras que desejam conquistá-las. O isolamento do casal não produz a estabilidade desejada, pois a privam de ter uma rede de amigos como fonte de apoio para dividir sentimentos e sofrimentos.

Mulheres stop-shop: o cartão de crédito e os shoppings são as maiores invenções humanas. São fascinadas pelo ter, embora nem sempre abandonem o ser. Gostam de uma prestação, amam comprar a prazo. O cartão de crédito é sua arma, seu solo, seu ar. Ficam vibradas na vitrine, por isso o nome stop(pare)-shop(loja). Para o drama de seus homens, são capazes de permanecer horas ou até dias, se forem deixadas, passeando de loja em loja. Nem todas são compradoras compulsivas. Mesmo que não sejam consumistas, adoram experimentar roupas nas lojas, às vezes saem sem comprar nada, depois de aliviarem a ansiedade, mas deixando estressadas as vendedoras.
Aspectos positivos: costumam ser agradáveis. Gostam não apenas de se presentear, mas de presentear filhos, marido, amigos. São sociáveis, amam dar festas e jantares. Algumas têm elevado prazer em servir, satisfazer e extrair o sorriso dos outros. Vivem o presente, não têm necessidade neurótica de ser a mais rica do cemitério.
Aspectos negativos: deslumbram-se com o ter. Muitas não pensam no futuro. Por usarem excessivamente o crediário ou cartão de crédito, algumas vivem atoladas em dividas. Esquecem-se da tese “o dinheiro traz prazer, mas a falta dele traz tremenda dor de cabeça”. Vivem num ciclo: ansiedade-posse-prazer-culpa-ansiedade. São mulheres maravilhosas, mas precisam desenvolver uma mente contemplativa que aprenda a consumir aquilo que o dinheiro não pode comprar.

Mulheres impulsivas: reagem pelo fenômeno bateu-levou, ação-reação. Seu Eu não é gestor de seus pensamentos nem muito menos de sua língua. Falam o que pensam. Devido à quantidade de janelas traumáticas na MUC e ME construída ao longo de sua historia, tornam-se extremamente reativas; à mínima contrariedade dos filhos, alunos, parceiro, amigos, rebatem agressividade.
Aspectos positivos: são determinadas, sabem o que querem, embora atropelem quem esteja em seu caminho. São produtivas, criativas e, às vezes, imaginativas e sonhadoras. São agradáveis desde que não sejam frustradas.
Aspectos negativos: machucam com facilidade quem está ao seu redor. Algumas mulheres impulsivas dizem que falam o que pensam, mas tal característica é mais reflexo de seu descontrole do que de sua maturidade. A impulsividade é um mecanismo vicioso do Eu que não aprendeu o alfabeto da arte de pensar antes de reagir e nem da oração dos sábios: o silêncio. Ela precisa exercitar a lei do maior esforço para construir, ao longo dos meses ou anos, bairros inteiros de paciência na cidade da memória.

Mulheres autônomas- transparentes: verdadeiras, retas, transparentes com os outros e, em destaque, consigo mesmas. Têm seu Eu maduro e espontâneo. Não têm medo de falar de suas lágrimas, crises e dificuldades. São acima de tudo naturalmente belas. Não se sentem deusas, nem divas, mas um ser humano consciente de que todos possuem qualidades e defeitos.
Aspectos positivos: possuem consciência plena de sua beleza exterior e interior. Não sentem necessidade de procedimentos estéticos, mas se os fizerem não são para ficarem bonitas, mas para cristalizarem a beleza que têm certeza de que já possuem. Sua mente é o próprio espelho. Não têm medo de falar a sua idade, porque são como o vinho, quanto mais envelhecem mais belas ficam.
Aspectos negativos: apesar de possuírem uma mente inteligente e uma personalidade madura, por serem transparentes, podem machucar quem amam. Por se sentirem naturalmente belas, podem criticar excessivamente quem tem preocupação neurótica com a própria imagem social.

Mulheres hipersensíveis: têm riquíssima emoção, embora desprotegida. São capazes de chorar ao ver um filme, emocionar-se ao ouvir uma história, envolver-se ao ler um livro. Vivem intensamente, doam-se muito, entregam-se com facilidade. Têm a sensação de que a vida é bela e breve e deve ser vivida com profundidade.
Aspectos positivos: são mais generosas, humanas e bondosas da sociedade. Muitas são incapazes de fazer mal aos outros. Reconhecem seus erros e pedem desculpas. Valorizam seu caráter, sua palavra e sua imagem social. São éticas e responsáveis.
Aspectos negativos: vivem a dor dos outros. Sofrem intensamente por problemas que ainda não aconteceram. Por terem baixo nível de proteção emocional, os estímulos estressantes as invadem com facilidade, o que expõe a desenvolver alguns transtornos como a depressão, ansiedade e pânico.

Mulheres histriônicas: são hiperfalantes, hipercomunicativas. Falam muito dos outros, mas frequentemente têm dificuldade de falar de si mesmas. Elevam o tom de voz, brincam com todos, contam histórias, movimentam o ambiente. Seu Eu tem dificuldade de se colocar no lugar dos outros, embora elas sempre achem que se colocam.
Aspectos positivos: são bem-humoradas, divertidas, alto-astrais. Costumam ser prestativas e generosas e frequentemente é possível contar com elas em tempos de crises e angústias. São muito criticadas pelas mulheres analíticas, observadoras, casulo e autônomas, mas no fundo são muito queridas, inclusive por suas críticas.
Aspectos negativos: preenchem os espaços sociais, não deixam os outros falar, participar ou se manifestar. Mesmo que sejam encantadoras, acabam sendo sufocantes. Inibem seu parceiro, falam por eles. São “mãezonas”, fazem tanto por seus filhos que acabam superprotegendo e despreparando-os para a vida.  Têm dificuldade em trabalhar em equipe e receber críticas.

Mulheres dissimuladas: desenvolveram ao longo do processo de formação da personalidade mecanismos sofisticados para disfarçar seus sentimentos, pensamentos, intenções. Seu Eu tornou-se especialista em maquiar não apenas o rosto, mas também sua psique. Escondem seus problemas, seus conflitos. Não porque são falsas ou mentirosas, mas porque são escravas do medo do que os outros pensam e falam delas. Falta-lhes uma base de janelas light na MUC e na ME para dar suporte ao relaxamento, à liberdade e à transparência. Grande parte das mulheres e homens tem uma generosa porção de uma mente dissimulada.
Aspectos positivos: são dosadas, ponderadas, não gostam de ser o centro das atenções. Embora sua história seja um túmulo, muitas vezes são comunicativas, conselheiras e gostam de ajudar os outros. Têm uma postura impecável socialmente, mas as pessoas (família, trabalho) só conhecem no máximo a sala de visitas de sua personalidade.
Aspectos negativos: detestam a solidão, mas vivem só no meio da solidão. Nunca choram na frente dos outros, nem demonstram fragilidade. Nunca falam de si, nem dividem seus sentimentos. São capazes de sorrir mesmo angustiadas. Quando atravessam por um grave problema, apresentam sinais de que não estão bem, o que as expõe a diversos transtornos emocionais.  Nesse caso, essas mulheres passaram por traumas de infância, como abuso sexual, privações, violências, perdas, humilhação pública. Se educassem seu Eu para se desarmar, seriam mais transparentes, menos apreensivas, mais relaxadas.

Mulheres coitadistas-conformistas: proclamam em prosa e verso que são infelizes, incapazes, inábeis, impotentes. Não têm ânimo nem garra para mudar a própria história. Seu Eu fica na platéia, observando seus conflitos como mero espectador. Possuem bairros inteiros de janelas killer, tanto na MUC como na ME, que sustentam seu sentimento de impotência.
Aspectos positivos: muitas delas são delicadas e generosas, carinhosas, afetivas com os outros. Possuem aversão a escândalos, não elevam o tom de voz nas relações sociais.
Aspectos negativos: não lutam por seus sonhos. São acomodadas, passivas, inertes, apáticas, culpam os outros pelos próprios infortúnios. Esquecem que a vida é um contrato de risco. Têm preocupação excessiva em falhar, dar vexames, ser criticadas, por isso vivem na lama do conformismo, mas têm grande potencial intelectual represado. Se o usassem para equipar seu Eu para serem autônomas, livres, cativariam todos a seu redor.

Mulheres dependentes: não reclamam de si nem se autodiminuem. Sua principal marca é a insegurança. Têm tanto medo de perda quanto uma necessidade excessiva de retorno de seus homens, filhos, amigos. Algumas mulheres dependentes ligam diversas vezes por dia para o parceiro, perguntam a cada momento “se ele a ama”, “por que não está dando atenção a ela”, são as alegrias das empresas telefônicas.
Aspectos positivos: costumam ser afetivas, dóceis, delicadas.  São sexualmente intensas, sedutoras, mas apesar do prazer sexual ser importante, ele se torna insuficiente para dar estabilidade à relação. O Eu dessas mulheres precisa ser educado para ser um agente ativo de seus sonhos. Deve-se destacar a habilidade e a coragem para escrever a própria história.
Aspectos negativos: se excessivamente dependentes, perdem sua identidade, esmagam sua liberdade, o que as faz se doar de maneira imatura e com altos índices de cobranças. Têm baixo nível de resiliência, não suportam perdas e frustrações. São frágeis para proteger o mais delicado terreno psíquico, a emoção. Pequenos estresses têm impacto grande.

Mulheres autoritárias: são exigentes, reativas , cobradoras. São ótimas para ordenar, mas péssimas para pedir. Seu Eu é impaciente, intolerante e pouco solidário. Desconhecem que os frágeis agridem, e os fortes abraçam. Têm necessidade neurótica de poder e de estar sempre certas.
Aspectos positivos: não existem mulheres autoritárias puras e absolutas. Elas estão mescladas com vários outros tipos de personalidade que compensam alguns de seus defeitos. Muitas são determinadas, ousadas, sabem o que querem. Se elas são um pouco analíticas e observadoras, produzem respostas brilhantes em situações estressantes.
Aspectos negativos: são dominadoras, controladoras, policiam filhos, maridos, amigos, colegas de trabalho. São impulsivas, não é fácil conviver com elas, pois se tornam explosivas nos focos de tensão. Se diariamente desenvolverem uma mente analítica, autônoma e contemplativa, poderão a duras penas formar plataformas de janelas light que desenvolverão as funções mais complexas da inteligência, como pensar antes de reagir, expor e não impor suas idéias, proteger sua emoção. 

Mulheres hiperpensantes-ansiosas: sua ansiedade é intensa, não sabem relaxar, descansar, cuidar de sua qualidade de vida. Sofrem por antecipação e não poucas vezes ruminam o passado. São máquinas de atividades, vivem para trabalhar e não trabalham para viver.
Aspectos positivos: costumam ser as melhores profissionais do mercado. Detestam o comodismo, são interessadas em aprender e se reciclar. Têm elevado nível de comprometimento profissional. Se são executivas ou profissionais liberais, são proativas, tomam iniciativas, são dinâmicas, criativas.
Aspectos negativos: são escravas da ansiedade. Embora sejam mentes brilhantes, não suportam pessoas passivas ou conformistas. Detestam a rotina e a mesmice. Têm a síndrome do pensamento acelerado: acordam fatigadas, têm emoção flutuante (ora tranquilas, ora irritadiças), são impacientes, têm baixo limiar às frustrações, possuem sono entrecortado. Um dos sintomas mais comuns é o esquecimento.  Não é um problema, mas a ação do cérebro diante de um Eu que não desacelera a mente. Ele desliga algumas janelas da memória para que essas mulheres pensem menos e poupem mais energia.
O ideal seria associar uma mente autônoma com a analítica, a contemplativa com uma mente proativa e moderadamente hiperpensante.
                                                                                                                                  Janelas Killer – (onde estão arquivados os traumas e conflitos);                             
MUC – Memória de Uso Contínuo (tem segredos para nos fazer pensar, interpretar, atuar, trabalhar, relacionar-se no presente);
ME – Memória Existencial (tem os segredos da nossa identidade, nossa história existencial tecida desde a vida uterina);
Eu – Líder da psique (representa a vontade consciente, a autodeterminação, a capacidade de escolha);
Lei do maior esforço – (exige do Eu, análise crítica, altruísmo, capacidade de se doar, de encantar e reciclar).

Resumo dos Capítulos I e II – Tipos de mulheres – Mentes belas e complicadas
Créditos: Augusto Cury – Médico psiquiatra, psicoterapeuta, cientista e escritor.

Um comentário:

  1. Bòa Tarde amiga, gostei muito da materia, e me enquadrei na mulher do tipo Autonomas Transparentes, achei bem parecida comigo tem tudo haver!!!!
    Beijos; Eva Da Silva Couto

    ResponderExcluir

A coisa mais difícil de ver é precisamente o que está diante dos seus olhos. Goethe

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...