quarta-feira, 15 de março de 2017

O envelhecimento dos ossos nos homens

Créditos: kjpargeter Freepik
O que acontece ao longo dos anos / Dr. Rogério Alvarenga - CRM-RJ 23.389-0
 
30 anos
É possível ganhar 15% de massa muscular com uma rotina de exercícios constante. Após os 35 anos, ganham-se 3 quilos a cada década. 
Sugestão médica: preserve seus ossos e músculos. Faça ginástica, e consuma alimentos ricos em cálcio, como brócolis, couve e peixe.

Dieta rica em cálcio: (brócolis, espinafre e demais legumes de folhas verde-escuro, beterraba, folhagem de nabo, amêndoa, figo e feijão) Dr. Lair ribeiro

40 anos
A partir dessa idade, a perda de massa óssea é de 0,3% ao ano. Os ombros começam a se curvar para a frente devido à compressão das vértebras. 
Sugestão médica: alterne o ritmo das caminhadas para não danificar as articulações: corra por cinco minutos e ande durante um, até completar 30 minutos.

50 anos
O metabolismo se torna mais lento, levando a um gasto menor de calorias, o que facilita o acúmulo de gordura. A perda da flexibilidade e a flacidez muscular se acentuam. 
Sugestão médica: além da caminhada, faça exercícios não aeróbicos, como Tai-chi-chuan, para melhorar o equilíbrio da postura. Diminua drasticamente doces, frituras e gorduras.

60 anos
Nessa idade, você já perdeu cerca de 5% de sua massa óssea. Três em cada dez brasileiros acima dos 65 anos caem pelo menos uma vez por ano. Dez por cento têm osteoporose e tendência a sofrer fraturas. Você começa a diminuir de tamanho. Se aos 30 anos media 1,70 metro, aos 80 estará com cerca de 1,67 metro. E se você sofre de osteoporose sua estatura pode reduzir-se ainda mais. 

Sugestão médica: passe a ingerir Cálcio regularmente, tomar sol por pelo menos 30 minutos e continue se exercitando. Pergunte ao seu médico se você está entre os 30% dos homens que precisam de reposição hormonal.

Estima-se que com o envelhecimento populacional no Brasil, o ano de 2050, quando comparado a 1950, terá um crescimento de 40% no número de fraturas de quadril para homens e mulheres entre 50 e 60 anos, e próximo de 70% nas idades superiores a 65 anos. Estima-se que a proporção da osteoporose para homens e mulheres seja de seis mulheres para um homem a partir dos 50 anos e duas para um acima de 60 anos. 

Aproximadamente uma em cada três mulheres vai apresentar uma fratura óssea durante a vida.
Vale ressaltar que grande parte da população masculina com mais de 50 anos apresenta osteopenia e até mesmo osteoporose e não sabe, pois a doença é silenciosa.

Enquanto as mulheres fazem densitometria óssea a partir dos 40 anos por solicitação de seus ginecologistas, os homens estão "órfãos", pois as especialidades que mais são procuradas pelos homens, como a clínica geral, a cardiologia e a urologia, seus especialistas não têm o hábito de solicitar como exame de rotina a densitometria óssea para seus pacientes do sexo masculino.

Tenho observado ao longo dos últimos 20 anos, que homens com mais de 50 anos apresentam um índice muito alto de perda óssea e essa parcela da população deve ficar alerta, especialmente os diabéticos, os que são tabagistas, que fazem uso habitual de bebidas alcoólicas ou usam corticoides e outros medicamentos de uso contínuo, como hormônios tireoidianos, heparina, warfarina, antiepilépticos (fenobarbital, fenitoína, carbamazepina), lítio, metotrexato e ciclosporina.

Dr. Rogério Alvarenga é médico (CRM-RJ 23.389-0), Especialista em Medicina Ortomolecular. É também Endocrinologista e tem Título de Especialista em Nutrologia Médica pela AMB. É membro da Academia de Ciências de NovaYork ("The New Academy of Sciences" - USA) entre outras no exterior. Membro da ABESO(Associação Brasileira para Estudos da Obesidade) e  outras. Membro-Fundador da SOMORJ-Sociedade de Medicina Ortomolecular do Estado do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nada de desgosto, nem de desânimo; se acabas de fracassar, recomeça. Marco Aurélio

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...